Relíquias. As do dia-a-dia. Sentidos. Os pulsantes. Luzes. Os excessos das sombras. É quase sempre de verdade, quase nunca por inteiro e, com sorte, com alguma sujeira final pra polir... Intentos. Os desde criança. Açúcares. Os que amarguem no final. Topos. Os de cume desconfortável. Vergonhas cantadas em coretos centrais, pintadas de nu pra parecer espontâneo. Colaborações. As de gosto, por favor!

quinta-feira, janeiro 17, 2008

Seu eu fosse esse pavão...

"Ai se eu corresse assim
Tantos céus assim
Muita história
Eu tinha prá contar..."



(Só uma coisa: Pavão voa?)

4 comentários:

danilo disse...

Pavo cristatus

Voa. Voa desajeitado, após correr alguns metros. Mas voa, calma.

Renato Forner disse...

É, nunca vi...
Mas também não vi enterro de anão e deve existir...
Eles não podem ser imortais!!!

dnailo disse...

E pavôa, vã?

mcd! disse...

é que esse pavão é misterioso
um pássaro formoso